Alerta sobre a FEBRE MACULOSA

Este ano, até o mês de novembro, apenas na região de Campinas e Piracicaba foram confirmadas 17 mortes decorrentes da doença.

febre maculosa é um desafio para a área de saúde e as autoridades médicas de uma forma geral. É uma doença bacteriana com baixa incidência, mas alta letalidade: o número de óbitos de pessoas infectadas é de 50%, segundo Rodrigo Angerami, infectologista da Unicamp, consultado pelo portal acidadeon.


A bactéria Rickettsia Rickettsii causadora da febre maculosa é transmitida pelo carrapato-estrela, que circula em animais de grande porte e silvestres, como as capivaras. Entre os sintomas da doença estão febre, dor de cabeça, dor intensa no corpo, náuseas e vômitos. Seu diagnóstico correto é fundamental para o sucesso do tratamento.

imagem de carrapato transmissor da febre maculosa

“Ser parasitado (mordido) por um carrapato estrela não é sinal que terá a febre maculosa, porque poucos carrapatos tem a bactéria, mas é importante ficar atento aos sintomas. Se de dois a 14 dias depois de ser picado ou estar em uma área com carrapatos, começarem sintomas como febre, dores de cabeça, vômitos e enjoo, a pessoa deve procurar o médico e relatar o contato com o vetor. É importante não se automedicar e procurar a unidade de saúde no mesmo dia”, explicou a médica veterinária Tosca de Luca, da prefeitura de Campinas, em uma entrevista à CBN.

É importante saber que o Micuim é uma larva de carrapato estrela, então ele  pode transmitir a febre maculosa, se estiver infectado. Isso dificulta o diagnóstico, já que algumas pessoas podem não perceber a picada, se ele tiver saído com uma coceira, ou mesmo no banho, conforme alertou a médica veterinária. Áreas verdes em que transitam cavalos e capivaras, por exemplo, são áreas sujeitas à presença do carrapato estrela.  

febre maculosa se não for tratada pode levar o paciente a óbito em seis a oito dias. Como tem seus sintomas iniciais ‘inespecíficos’, ela precisa começar a ser tratada na suspeita.

PRECAUÇÕES

Quando transitar em uma área verde em que circulem animais de grande porte, sempre usar barreiras físicas, como calças e blusas de manga comprida e colocar a meia por cima da calça.

A transmissão da bactéria não acontece assim que o carrapato se prende a seu corpo, então identificar e retirar da maneira correta, também é importante.

COMO RETIRAR O CARRAPATO

exame para checar se há carrapatos pode (e deve) ser feito com a ajuda de outra pessoa. A forma ideal para retirá-lo é com uma pinça, com um movimento rotatório, para que ele não seja esmagado ou fragmentado.

Não devem ser utilizados álcool ou gelo, nem calor (palitos de fósforos quentes), porque esses estímulos fazem o animal liberar a bactéria como uma reação.

SINTOMAS

quadro inicial da doença é caracterizado por febre alta, dor de cabeça, no corpo e perto dos olhos, enjoo, vômito, diarreia e falta de apetite. Algumas vezes é confundido com dengue ou uma forte gripe. Por este motivo, o relato da passagem por áreas com carrapatos é fundamental.

O tratamento com antibióticos deve ser iniciado ainda com a suspeita da doença, já que ela tem evolução rápida e é bastante letal.

O nome da doença, ‘febre maculosa’ se deve aos sintomas já adiantados da doença, a febre alta associada a manchas vermelhas no corpo, que são as chamadas máculas.

Fontes: reportagem do portal Acidadeon; entrevista da médica Tosca de Luca à rádio CBN; portal da prefeitura de Campinas; portal da ALESP; matéria G1 Piracicaba.